NOTÍCIAS

Cristãs são demitidas por recusarem chamar aluna de menino

18/11/2015

Duas professoras de uma creche na cidade de Katy, Texas, nos Estados Unidos, foram demitidas há cerca de 20 dias por se recusarem a chamar de menino uma aluna de seis anos de idade. Madeline Kirksey e sua colega Akesha Bogany Wyatt (foto) entraram na Justiça contra o Centro de Aprendizagem Infantil Lighthouse, alegando que sua demissão foi por motivos religiosos.

Segundo ambas, a direção da escola as demitiu por que elas não aceitaram a “imposição da agenda transgênero”. Katy é uma pequena cidade na periferia de Houston, onde a prefeita Annise Parker, que é lésbica, tem atacado abertamente as igrejas.

Kirksey acredita que seus direitos a liberdade religiosa foram violados e quer o emprego de volta. Elas contrataram como advogados Andy Taylor e Briscoe Cain, que já defendem outros casos de discriminação religiosa.

Recentemente, Taylor derrotou a Prefeitura de Houston na batalha legal relacionada a uma lei que possibilitava aos transgêneros escolher qual banheiro público prefeririam. Durante o longo processo, vários pastores da cidade, que lutavam contra uma lei de censura, foram obrigados a submeter seus sermões a um juiz, sob alegação que estavam pregando homofobia quando diziam que a Bíblia condena o homossexualismo.

Os cristãos se mobilizaram e como resultado, o governador Greg Abbott assinou a lei 2065, conhecida como “Lei de proteção ao Pastor”, a qual assegura aos ministros o direito de não celebrarem cerimônias de casamento homossexual nas igrejas pelas quais são responsáveis.

O caso das professoras cristãs está gerando uma nova onda de protestos no Texas. Tudo começou quando um casal gay, responsável por um dos alunos, pediu que as funcionárias da escola chamassem a sua filha de menino. Além de trocarem o nome da criança, cortaram seu cabelo e a vestiam como um menino.

Contudo, as professoras dizem que a criança já frequentava a escola há quatro meses antes que seus pais decidissem que ela mudaria de gênero. Contam ainda que a menina alternava seu comportamento, em alguns dias afirmava ser menina e em outros, menino. Quando procuraram a direção da escola, receberam um documento que as ‘ensinava’ como lidar com alunos transgêneros.

Quando elas se recusaram, alegando que isso contrariava seus princípios religiosos, e que isso era uma forma de abuso infantil, foram imediatamente demitidas. O caso da menina estaria criando problemas na escola, que tem cerca de 100 alunos, pois ela estava sendo exposta ao ridículo, afirma o processo.

A professora Wyatt disse:

“Ser ou não ser uma menina ou um menino não é um assunto adequado para as crianças discutirem ainda mais nessa idade. Como cristã e mãe de uma criança que frequenta a mesma escola, não queria expor meu filho nem as outras crianças a este assunto. Os pais dos demais tinham o direito de saber o que estava acontecendo“.

O advogado Andy Taylor disse à imprensa que “novamente a insistência das comunidades LGBT na criação de direitos especiais para um pequeno grupo de pessoas está atropelamento as liberdades civis dos demais.”

Fontes CBN/Gospel Prime
Adaptação: Milton Alves




SOCIEDADES INTERNAS

SIGA:

Siga, compartilhe, interaja!

NEWSLETTER:

Receba as novidades da Jardim de Oração.