NOTÍCIAS

“Alá seja louvado” é tema de campanha na Inglaterra

06/06/2016

Os ônibus de Londres, capital da Inglaterra e que tem um muçulmano como prefeito, irão mostrar anúncios religiosos como parte de uma campanha que “visa ajudar as vítimas da guerra civil da Síria”. O material foi criado e pago pela Islamic Relief, maior organização de caridade muçulmana da Grã-Bretanha e deve circular no transporte púbico durante o Ramadã, principal feriado muçulmano, que neste ano, será celebrado entre este dia 6 de junho e 5 de julho.

A Islamic Relief disse esperar que os anúncios que trarão as palavras “Alá seja louvado”, em inglês e árabe, possam retratar o Islã “sob uma luz positiva”. Seus idealizadores acrescentam que o objetivo também é ajudar os jovens muçulmanos a se concentrar no trabalho humanitário. Imran Madden, diretor da ONG muçulmana no Reino Unido, disse:

“Queremos mudar o clima negativo em torno da comunidade muçulmana no país”. Explica ainda que, durante o Ramadã, os muçulmanos britânicos doam mais de R$ 500 milhões para “instituições de ajuda internacional”.

O que nem Madden nem a imprensa inglesa se importaram de lembrar é que a guerra civil na Síria é causada por radicais muçulmanos do Estado Islâmico e grupos similares, tendo como principal motivação as questões religiosas.

Polêmicas antigas

Mensagens sobre religião nos ônibus na Inglaterra não são novidades. Geralmente, rendem polêmica. Em 2009, a ONG British Humanist Association [Associação Humanista Britânica] patrocinou propagandas nos ônibus que diziam: “Provavelmente Deus não existe. Parem de se preocupar e aproveitem a vida”.

Em 2013, contudo, uma associação cristã foi impedida de fazer nos ônibus da cidade uma campanha sobre a possibilidades de gays mudarem de opção por causa da fé. Já em 2014, a British Humanist Association fez nova campanha ateísta, atacando a fé dos ingleses.

Até o momento, nenhuma organização inglesa de vulto se manifestou contra a campanha dos muçulmanos. Curiosamente, ela passou a ser veiculada dois dias após Londres eleger Sadiq Khan como o primeiro prefeito muçulmano da cidade. Na capital vivem cerca de metade dos três milhões de seguidores de Maomé na Grã-Bretanha.

Fonte: Standard/Gospel Prime
Adaptação: Milton Alves




SOCIEDADES INTERNAS

SIGA:

Siga, compartilhe, interaja!

NEWSLETTER:

Receba as novidades da Jardim de Oração.